Ilusionistas e Cepticismo (1)

É quase impossível um céptico não gostar de ilusionistas. Muitos dos métodos que usam fazem também parte do reportório de muitos charlatães, mas há uma diferença fundamental: o ilusionista não esconde que está a enganar a audiência. Mesmo com essa dose extra de desconfiança por parte do público, um bom ilusionista consegue sempre a mesma incredulidade como resposta.

Duas regras definem os ilusionistas: não revelar ao público em geral as artimanhas usadas, e não fazer crer que têm realmente poderes sobrenaturais. Estas regras, para além de protegerem e manterem a honra da profissão, servem para estimular o pensamento céptico: para satisfazer a curiosidade é preciso arranjar uma explicação para a ocorrência de algo que parece impossível mas tem uma explicação prosaica. Só não percebo porque é que quando se trata de fenómenos ‘paranormais’ (intervenções divinas incluídas) o número de pessoas que sequer tentam encontrar uma explicação racional é muitíssimo mais pequeno. A esmagadora maioria das vezes a única diferença em relação ao ilusionismo é que neste o artista admite à partida que vai ‘aldrabar’ (e até costuma apresentar demonstrações mais impressionantes).

Dos que tenho visto nos últimos tempos, Criss Angel parece ser dos mais interessantes. Esta foi a primeira ilusão dele que me mostraram:

Não é das mais complicadas de explicar, mas o reportório tem pano para mangas: é vê-lo a voar um pouco, andar sobre água, atravessar vidro, entrar onde não deve, fazer um dos poucos truques com uma moeda que valem a pena e apresentar uma versão bem mais difícil do velho ‘serrar a pessoa a meio’:

Se calhar uma das coisas que mais gosto no Criss Angel é não só arranca da audiência exclamações de espanto como alguns gritos aterrorizados (um exemplo, um exemplo mais espalhafatoso, e um mais sangrento).

Muitas vezes consegue-se pelo menos avançar hipóteses para como as ilusões terão sido feitas. Por vezes as explicações até são mais rebuscadas que as técnicas usadas, mas ninguém com o mínimo de bom senso está disposto a aceitar uma causa sobrenatural como mais provável mesmo que se admita não ter informação suficiente para descrever com detalhe o que aconteceu (excluindo crianças e o ocasional caso patológico). Mas se em causa estiverem milagres ou pretensos poderes sobrenaturais, o céptico é acusado de ser uma pessoa de mente fechada que não aceita o que é óbvio: maravilhosos poderes para lá da nossa compreensão. Poupem-me.

2 responses to “Ilusionistas e Cepticismo (1)

  1. Pingback: Ilusionistas e Cepticismo (3) « a mansarda

  2. hey calma ,o que o criss angel faz magia e muito fraco ja deu pa apanhar os truques k ele faz.antes d dar o espectaculo nas ruas conbinam com as pessoas k conhecem e dps fingem n conhecer e convoca pesoas k n conhecem é so pa confudir ..e truques e fraco …o david cloverfield e sem duvida o melhor e impossivel d ser apanhado.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s