Agressão redireccionada

No artigo Targets of Aggression (via Obscene Desserts), David Barash abordou o tema da agressão redireccionada tocado na entrada anterior. É referido um estudo com resultados interessantes, que apontam para uma justificação não só psicológica mas também fisiológica para esta tendência natural de descarregar no primeiro alvo disponível.

Uma ratazana é colocada numa gaiola onde é sujeita a choques eléctricos a partir do chão. Os choques iniciais exaltam visivelmente a ratazana, mas ela acaba eventualmente por deixar-se estar apaticamente a meio da gaiola. A autópsia revela glândulas adrenais inchadas e úlceras no estômago, sinais de stress intenso.

Repetindo a experiência mas acrescentando um pau de madeira na gaiola, a ratazana passa a morder o pau durante os choques. A autópsia revela glândulas adrenais menores e menos úlceras. Os resultados mais interessantes surgem quando se repete a primeira experiência com duas ratazanas. Os choques eléctricos passam a despoletar lutas entre as duas ratazanas, e a autópsia revela glândulas com o tamanho regular e a ausência de úlceras.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s